terça-feira, 8 de abril de 2014

Doença de parkinson



Onze de abril é o Dia Mundial da Doença de Parkinson, a data foi  instituída para ampliar a conscientização sobre a doença e incentivar a pesquisa e a inovação em seu tratamento.
Dois trabalhos em TV abordam a doença:  Na novela “Em Família”, da TV Globo, o ator Paulo José interpreta um portador de Parkinson, doença com a qual ele próprio convive desde 1993.
Já o ator americano Michael J. Fox está no ar com a série “O Show de Michael J. Fox”, no canal Comedy Central, uma comédia que retrata o dia a dia de um Parkinsoniano interpretado pelo ator que descobriu a doença ainda muito jovem, em 1999.
Ambos atores utilizam o tratamento da DBS (estimulação cerebral profunda), também conhecida como neuroestimulação. A tecnologia ajuda a controlar os movimentos involuntários e a rigidez dos músculos, propiciando mais controle dos movimentos e equilíbrio.
Tremores, lentidão dos movimentos, falta de equilíbrio e rigidez dos músculos são os sintomas mais observados nos portadores da doença de Parkinson. O Ministério da Saúde estima que a prevalência da doença no Brasil seja de 100 a 200 casos para cada 100 mil habitantes. Habitualmente, os sintomas surgem depois dos 65 anos de idade. Porém, aproximadamente 15% dos doentes com a doença de Parkinson a desenvolvem antes dos 50 anos.
O Parkinson é uma doença crônica, degenerativa, progressiva e altamente incapacitante. Muitas vezes, o paciente demora anos para receber o diagnóstico correto, pois os primeiros sinais da doença são quase imperceptíveis e podem ser confundidos com outras enfermidades. A caligrafia menos legível, a fala monótona, os lapsos de memória e depressão são alguns desses sinais que, com o tempo, se tornam mais evidentes diminuindo a qualidade de vida do indivíduo.  Quando finalmente a doença é diagnosticada, o paciente é encaminhado para o tratamento padrão com medicamentos de uso contínuo. Porém, após anos de tratamento, as drogas deixam de surtir os resultados esperados e os efeitos colaterais são acentuados, e o paciente tende a ficar incapacitado.
Apesar de toda a evolução na área médica nos últimos anos, a doença de Parkinson ainda é de difícil diagnóstico e sem cura. No entanto, existem alternativas que propiciam uma melhor qualidade de vida ao paciente, como a estimulação cerebral profunda (DBS) que tem sido usada para reverter os sintomas motores. A terapia já é consagrada em todo o mundo, mas ainda pouco utilizada no Brasil. Consiste no envio de estímulos elétricos a determinadas regiões do cérebro, para controlar e coordenar os movimentos involuntários e a retomada do equilíbrio.
O procedimento é minimamente invasivo e totalmente reversível. O neurocirurgião implanta um aparelho chamado neuroestimulador, semelhante a um marca-passo,  sob a pele do peito e liga-o a eletródios implantados no cérebro com a função de enviar estímulos às regiões responsáveis pelo controle dos movimentos.


1 Comentário:

Jack Lins disse...

Olá menina,
Muito bom saber mais um pouquinho sobre essa doença.
Te desejo uma linda semana,
Beijos
Jack
http://www.meucantinhos.blogspot.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Links legais:

AMÉLIAS DE SALTO © 2008. Template by Dicas Blogger.

TOPO